Uma composição de passageiros da EFA fomenta o turismo em São Paulo

10.07.2015
Uma composição de passageiros da EFA fomenta o turismo em São Paulo

O projeto Expresso Turístico é realizado com locomotiva e vagões da Estrada de Ferro da Araraquarense (EFA)

 

Hamilton Mendes

É como viajar no tempo. Pouco mais de 16 anos depois de saírem de circulação e deixarem muitas saudades, os trens de passageiros estão de volta. Ou melhor: um deles. Trata-se do “Expresso Turístico”, uma composição de passageiros que já há alguns anos leva alegria a milhares de turistas que descobriram o serviço.

Projeto implantado há pouco mais de cinco anos – através da Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos e pela CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) -, o Expresso tem como objetivo integrar pontos de interesse turístico localizados ao longo da malha férrea das regiões de São Paulo, Jundiaí, Santo André, Mogi das Cruzes e Paranapiacaba.

O detalhe, porém, é que a locomotiva e os vagões utilizados no serviço pertenceram à extinta Estrada de Ferro da Araraquarense (EFA), e estavam abandonados nos trilhos da região de Rio Claro. Resgatada pela Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF),  a composição foi totalmente recuperada pela CPTM, ganhou nova pintura e acabamento luxuoso, tudo de acordo com os bons tempos vividos pelas ferrovias nos anos áureos dos trens de passageiros.

Operando uma vez por mês, as viagens são feitas a bordo de uma charmosa locomotiva a diesel, que conduz dois carros de aço inoxidável fabricados no Brasil na década de 50. Os vagões foram totalmente restaurados pela CPTM. Ao longo do percurso sobre os trilhos, monitores dão informações históricas sobre a ferrovia paulista e as estações da CPTM.

De volta aos trilhos

O trem Expresso Turístico é formado por uma locomotiva Alco RS-3, movida à diesel e fabricada no ano de 1952, que conduz dois carros de passageiros, de aço inoxidável, Budd – Mafersa fabricados no Brasil também nos anos 50. Os vagões foram totalmente restaurados nas oficinas da CPTM.

No passado, quando ainda pertenciam à Estrada de Ferro Araraquara (EFA), as composições operaram a linha de longo percurso entre São Paulo (Estação da Luz), Campinas, Araraquara, São José do Rio Preto e Santa Fé do Sul. A linha, popularmente conhecida como “Araraquarense”, foi construída originalmente em bitola métrica e aberta em 1898, ligando Araraquara a Itaquerê (atual Bueno de Andrada).

Até 1955, só circulavam trens a vapor pela linha, com carros de madeira e composições que saiam de Araraquara. Com o alargamento da bitola, os trens começaram a sair da Luz. Nos anos 1960, quando foram adquiridos os carros Budd-Mafersa, as viagens passaram a ser feitas com carros-dormitório e carros-restaurante.

Na Fepasa (Ferrovia Paulista S.A.), esses carros trabalharam até meados de 1998, sendo os últimos trens de passageiros de longo percurso no estado de São Paulo. A última viagem deles aconteceu em 15 de março de 2001, no trajeto entre Araraquara e São José do Rio Preto.

Localizados e resgatados pela ABPF em meados de 2005, os dois carros foram cedidos para a CPTM com a finalidade de servirem ao programa turístico criado em São Paulo.

O Trem Expresso Turístico conta com 174 assentos, mais uma vaga para cadeira de rodas por viagem. Como as passagens poderem ser adquiridas com antecedência, isso exige que o interessado consulte as vagas disponíveis para a data escolhida para a sua viagem.

Os bilhetes podem ser adquiridos até três meses e meio antes da data da viagem, na bilheteria da Estação da Luz, da CPTM, localizada no saguão principal da estação, ao lado do guichê do Serviço de Atendimento ao Usuário (SAU), em frente à Praça da Luz. O horário de atendimento é das 6h às 18h30, todos os dias.

Serviço:

Trajetos

São Paulo – Jundiaí

Separa por apenas 60 km da capital paulista, Jundiaí e as cidades vizinhas reservam uma série de atrações que podem ser feita pelo viajante do Expresso Turístico.

São Paulo – Mogi das Cruzes

Localizada a 48 Km da capital paulista, Mogi das Cruzes compõe o grupo de municípios que formam o Alto Tietê, região próxima à nascente do Rio Tietê.

São Paulo – Paranapiacaba

Localizada no município de Santo André (SP), Paranapiacaba é uma charmosa vila de arquitetura inglesa que já se candidatou a Patrimônio Mundial da Humanidade.

Tarifas e fretamentos:

Com valores entre R$ 39,50 e R$ 79,50 (nas linhas Jundiaí, Mogi das Cruzes e Paranapiacaba), as reservas para o Expresso Turístico podem ser feitas com até 120 dias de antecedência. Para fretamento de um carro (vagão) inteiro, no entanto, a reserva deve ser feita com 150 dias. Mais informações no site: http://www.cptm.sp.gov.br/sua-viagem/ExpressoTuristico/Pages/Expresso-Turistico.aspx

Revista Cidade

Publicidade

Brasil