Transcendendo a sátira

18.11.2016
Transcendendo a sátira

O italiano Leo Bassi, com seu radicalismo poético, apresenta o espetáculo “A Grande Missa Patólica”, uma leitura inovadora e atual do mundo e do agora

O novo trabalho de Leo Bassi é resultado de 2 anos de apresentações e "missas" celebradas em uma pequena "Igreja Patólica" criada pelo artista em Lavapiés - Espanha. Um espetáculo que reflete a liberdade artística e a inocência através da criação de uma nova igreja, cujo Deus é um pato de borracha. Neste sábado, às 20h, o Sesc Araraquara apresenta “A Grande Missa Patólica”. Os ingressos já estão à venda no Portal do Sesc (sescsp.org.br/araraquara), e nas bilheterias das unidades.

Grande Missa Patólica representa um marco na carreira teatral de Leo Bassi, por que não é uma obra de teatro, mas sim uma adaptação de uma verdadeira missa bufonesca para a cena, realizada regularmente na Iglesia Patólica, local fundado por Leo Bassi em 28 de dezembro de 2012 na cidade de Madrid (Espanha); o recinto do culto recebeu o nome de El Paticano de Lavapie?s, por estar localizado no Bairro de Lavapiés, onde curiosamente existe a maior concentração de moradores estrangeiros, em geral imigrantes latinos. O Paticano é dedicado à adoração do pato de borracha de banheira - o “redentor” - e é sede para a celebração de missas, casamentos e batizados e conta com liturgia própria.

O curioso é que as celebrações das missas patólicas começaram como uma travessura original e divertida e se converteram em algo que transcende a sátira, colocando em evidência as maiores contradições entre a narrativa oficial oferecida à nossa sociedade e os valores em que as pessoas acreditam. A celebração da Gran Misa Patolica não se limita a ser um canal irônico para expor argumentos laicos clássicos. Leo Bassi chegou à conclusão fundamental de que o motivo de seus próprios enfrentamentos com os defensores intolerantes da religião é que, o riso sim, é sagrado e a arte do Palhaço tem a função de se conectar com a essência do ser humano. 

Apesar da grande importância que o humor tem em nossas vidas, a sociedade segue considerando-o como uma atividade simples, longe das altas esferas das aspirações religiosas e sociais. A força da obra de Leo Bassi é situar sua ironia a um nível de consciência mais profundo, utilizando a poesia da linguagem do Palhaço como veículo onírico que transforma o espetáculo em um ato carregado de ritual. Assim, a eleição de um Deus tão improvável como o Pato de Borracha das banheiras, participa deste simbolismo. A ironia provocadora coloca um objeto tão simples e humilde no trono do Todo Poderoso que tem sua contrapartida moral no seguinte pensamento: o mundo não seria melhor se, no lugar do Deus do Antigo Testamento, vingador e castigador, o Céu recebesse um Deus de brincadeira, otimista e amigo das pessoas? 

Um Deus revolucionário que se distingue de todos os demais por representar a imperfeição, no lugar da perfeição. Assim, o Palhaço oferece à humanidade seu próprio Deus, este Deus da Imperfeição, que enfrenta a tirania fanática da perfeição e suas bandeiras da vaidade e do desejo do poder. 

Sem dúvida esta é a criação mais ambiciosa de Leo, que o situa em um terreno onde os verdadeiros bufões sempre buscaram estar: desafiando espiritualmente a lógica do mundo sério. Mais do que uma simples “palhaçada”, o mestre quer desafiar as convenções e firmar com através de um culto, sua mensagem mais provocadora: a arte do Palhaço é sagrada e o riso se conecta com a essência do ser humano. 

Evidentemente, a eleição do Deus Pato não foi mera casualidade, uma vez que o Pato de Borracha simboliza valores fundamentais com a inocência, o jogo, o otimismo e a esperança. Se comparado aos Deuses Todo Poderosos, o Deus Pato tem uma grande vantagem: é frágil e imperfeito como a humanidade. A Gran Misa Patólica destila todo o sabor dessas missas tão particulares oficiadas no Paticano e é uma introdução perfeita para os iniciados na espiritualidade ridícula e grotesca do Paticano.

Serviço:

Espetáculo “A Grande Missa Patólica”

Dia: 19/11, sábado

Horário: 20h

Local: Teatro

Classificação: 16 anos

Ingressos:

R$ 7,50 (Crianças até 12 anos e matriculados no Sesc / Credencial Plena);

R$ 12,50 (aposentado, pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e servidor da escola pública com comprovante);

R$ 25,00(Inteira / Credencial Atividades).

Revista Cidade

Publicidade

Brasil