Projeto dedicado à atuação dos públicos das instituições de arte, Diário do busão chega à cidade

06.06.2018
Projeto dedicado à atuação dos públicos das instituições de arte, Diário do busão chega à cidade

Artista e pesquisador Diogo de Moraes traz exposição e realiza palestra no Território da Arte de Araraquara

Um projeto diferente no campo das artes chega à programação do Território da Arte de Araraquara nesta semana: é o “Diário do busão: visitas escolares a instituições artísticas”, do artista e pesquisador Diogo de Moraes. Exposição e palestra estão no programa, que é totalmente gratuito e acontece com realização da Secretaria Municipal da Cultura e Fundart.

A exposição “Diário do busão: visitas escolares a instituições artísticas” tem início nesta sexta-feira, 8 de junho, na Casa da Cultura Luís Antonio Martinez Corrêa, permanecendo em cartaz até o dia 06 de julho para visitação. Articulada à exibição, Diogo de Moraes realiza uma palestra sobre a experiência de composição do “Diário de busão”, na segunda-feira, 11 de junho, às 15h30, na Casa da Cultura.

Mas por que “Diário do busão” é diferente? Porque a elaboração de seu conteúdo vem do contato do artista com estudantes da rede pública do ensino, durante visitas a instituições de arte na cidade de São Paulo. Diogo de Moraes se “infiltra” em ônibus que conduzem turmas de estudantes da rede pública até instituições de arte, por ocasião das visitas agendadas e mediadas às suas exposições.

Atento às formas de atuação dos estudantes e de seus professores durante os itinerários pela cidade e as visitas propriamente ditas, Diogo de Moraes registra e traduz suas impressões, (contra)inspirando-se no modelo do “diário de classe”, ferramenta normativa da rotina escolar. A produção simbólica veiculada pelo “Diário do busão” se faz a partir do interesse do artista por aquilo que os públicos escolares manifestam nos momentos de interação com as ofertas culturais.

“Minhas infiltrações nessas situações pedagógicas desdobram-se na formulação de relatórios verbo-visuais alusivos a cada visita, delineados com base nas notas e esboços que realizo num pequeno bloco de papel durante o acompanhamento dos grupos. Isso implica a reescrita e o redesenho dessas anotações, num processo que combina fato e ficção”, explica Diogo de Moraes.

Assim, “Diário do busão” dedica-se à sondagem, à tradução e à circulação dos índices resultantes dos encontros e desencontros desses públicos com os bens artístico-culturais, assim como com os discursos e convenções que os medeiam. A observação revela, por exemplo, códigos internos de comunicação entre os adolescentes, como seus cumprimentos com as mãos ou mesmo palavras que inventam. Diogo de Moraes busca preservar a espontaneidade dos gestos dos estudantes e recupera comentários feitos em voz baixa ou até situações indiscretas, ou a disposição dos corpos em um determinado espaço – o que direciona a algumas noções da “arte participativa”, já que a ideia de “participação” atravessa conceitualmente os relatos verbo-visuais de Diogo. Desvios semânticos, profanações comportamentais e gestos oposicionais fazem parte do repertório de muitos jovens observados no “Diário”.

Em sua palestra, Diogo de Moraes abordará os principais aspectos e critérios de sua investigação, além de chamar atenção para a necessidade de que as respostas dos públicos às ofertas institucionais sejam reinseridas nas próprias instituições e em seus ambientes expositivos, mediante traduções, dando a ver as discursividades, performatividades e táticas praticadas pelos públicos em meio à orquestração institucional.

“Entende-se que dessa encruzilhada – aquilo que as instituições difundem versus os usos que os públicos fazem disso – podem advir reações imprevistas, saberes outros e agendas não coincidentes, capazes de fornecer elementos simbólicos para um exercício de desconstrução de discursos unidirecionais e hegemônicos”, explica Diogo de Moraes. “A atenção a essa contraface da oferta justifica-se pela tentativa de deflagrar situações em que as próprias instituições e seus agentes se vejam reendereçados por seus públicos, sendo convocados a também aprender com eles”.

As “laudas” do Diário em exposição no Território da Arte de Araraquara mostram parte da pesquisa de Diogo, realizada durante o acompanhamento de sete diferentes visitas. Na Casa da Cultura estará exposta parte desse material - a saber, as visitas ao Instituto Tomie Ohtake, à 32ª Bienal de São Paulo, ao MIS – Museu da Imagem e do Som e à Pinacoteca do Estado de São Paulo. Vale destacar que o horário de visitação da exposição é de segunda à sexta-feira, das 9h30 às 21h; e aos sábados, das 9 às 13h30. A Casa da Cultura está localizada à Rua São Bento, 909, no centro da cidade.

O Território da Arte de Araraquara segue com atividades totalmente gratuitas até o próximo dia 06 de julho. Mais detalhes da programação podem ser conferidos no site da Prefeitura de Araraquara ou na página do evento no Facebook. 

 

Serviço:

Território da Arte de Araraquara apresenta “Diário do busão: visitas escolares a instituições artísticas”, com Diogo Moraes 

 

Exposição “Diário do busão: visitas escolares a instituições artísticas”

Período: de 8 de junho a 6 de julho

Local: Casa da Cultura Luís Antonio Martinez Corrêa (Rua São Bento, 909 – Centro)

Horário de visitação: de segunda à sexta-feira, das 9h30 às 21h; e aos sábados, das 9 às 13h30 

 

Palestra - A experiência na composição do “Diário do busão”

Data: segunda-feira (11 de junho)

Horário: 15h30

Local: Sala Jean Paul Sartre - Casa da Cultura (Rua São Bento, 909 – Centro) 

 

Grátis 

Revista Cidade

Publicidade

Brasil