Crise econômica causa fechamento do Museu da TAM

31.01.2016
Crise econômica causa fechamento do Museu da TAM

Crise econômica e necessidade por espaço causa fechamento 

Inaugurado em 2010 o Museu da TAM encerrou suas atividades no último dia 29, e não tem previsão para retomar suas atividades. Contando com um acervo de 90 aeronaves das mais diversas épocas e períodos históricos, o Museu tem ainda em seu acervo diversos itens que retratam a história da aviação no Brasil e no mundo.

O avião P47 Thunderbolt B5 do comandante araraquarense Fernando Correa Rocha (foto anexa), que realizou 75 missões de Guerra nos céus italianos pelo 1º Grupo de Caça doBrasil, o Senta a Púa está exposto no local.

Com mais de 20 mil m2 de área e com a chancela de ser o maior museu de aviação do mundo mantido por uma companhia aérea privada, o Museu da TAM foi criado da restauração de um antigo monomotor Cessna dos irmãos Amaro, que acabou se tornando a inpiração deles para a realização do sonho de preservar a memória da aviação e de homenagear um homem que há mais de 100 anos sonhou que podia voar. 

Importante destacar que boa parte das 90 aeronaves que estão no local entre pioneiros, clássicos, jatos e caças, está em plenas condições de vôo. Entre as aeronaves expostas estão os icônicos Supermarine Spitfire, Vought F4U Corsair, Republic P-47 Thunderbolt, Messerschmitt Bf 109, MiG -21, Dassault Mirage III, Lockheed Constellation e Fokker 100. 

 O lugar conta ainda com simuladores, túnel multimídia, Espaço TAM Kids, Espaço propulsão, Torre de Controle, Espaço Moda e uma ala dedicada exclusivamente a trajetória evolutiva da própria TAM é entrar em um túnel do tempo com destino a  uma experiência única ao passado.

Crise

A escalada da crise econômica e política no Brasil comprometeu a saúde financeira da Latam, principal mantenedora do museu, que passou a registrar prejuízos diversos em suas operações e gerou a redução no número de passageiros transportados. Com custos mensais na ordem de R$ 300.000, o museu se tornou oneroso diante dos desafios impostos pelo país.

Além disso, a Latam vinha estudando utilizar o espaço dedicado ao museu como extensão das oficinais de manutenção. O sitio aeroportuário de São Carlos abriga o principal centro de manutenção do grupo, podendo no futuro receber oficinas dedicadas aos novos Airbus A350 XWB e Boeing 787 Dreamliner.

Nos últimos meses o ao lado do co-fundador João Amaro e curadoria do museu, ao lado de importantes membros da sociedade aeronáutica vem discutindo a transferência das instalações para o Campo de Marte, em São Paulo.

O projeto conta com a simpatia do Comando da Aeronáutica, que estuda ceder parte da área que possui para a construção do edifício, que poderá abrigar todo o atual acervo e eventuais novas aeronaves incorporadas. Porém, a prefeitura de São Paulo se mostra relutante ao projeto. Um dos motivos é a disputa pela propriedade do terreno onde se encontra o aeroporto do Campos de Marte.

 

Com informações do Portal aeromagazine

Revista Cidade

Publicidade

Brasil