Tiro de Guerra comemora Dia da Vitória

08.05.2018
Tiro de Guerra comemora Dia da Vitória

Direção do TG local promoveu um encontro com ex-pracinhas da FEB que aturam na Segunda Guerra

Há 73 anos, em 8 de maio de 1945, terminava a Segunda Guerra Mundial com a rendição dos alemães.  E para celebrar o marco histórico o Tiro de Guerra (TG) 02 002 de Araraquara promoverá a Formatura do Dia da Vitória e Dia das Mães na próxima sexta-feira, (11), às 19h, no quartel do TG, na Rua Ceará, na Vila Xavier.

O evento é aberto à população e contará com a participação de 100 atiradores das duas turmas orientadas pelo subtenente e comandante Cleitor de Almeida Paiva e pelo 1º sargento Oseias Guedes da Silva; por ex-combatentes, parentes, autoridades e convidados.

Nessa segunda-feira (7), a direção do TG local promoveu um encontro com os pracinhas da FEB José Marino, de 98 anos, e Orlando Pires, 99, que aturam na Segunda Guerra. O ato ocorreu na residência de Marino, no bairro São José.

“O Tiro de Guerra forma atiradores e os ex-combatentes são importantes para a memória do Exército. Nós tivemos 10 araraquarenses convocados para a Segunda Guerra. A presença de José Marino e Orlando Pires em nossas solenidades nos inspira a relembrar a heroica participação do Brasil na Europa”, afirmou o 1º sargento Oséias Guedes da Silva.

O ex-atirador José Marino, especialista em tiros de fuzil, metralhadora e morteiro, contou detalhes dos combates na Itália e lembrou, emocionado, quando recebeu no hospital, cuidado por americanos, a notícia do fim da guerra.

“Estava me recuperando de ferimento na perna causado por granada quando um capitão brasileiro entrou na enfermaria e anunciou o fim da guerra”, recordou.  

Já Orlando Pires lamentou o tempo que ficou de prontidão em São Sebastião, no litoral paulista, pronto para embarcar rumo ao cenário da guerra. “Meu superior não me deixou ir, mas minha vontade era de lutar na Europa”, relembra o corretor de imóveis aposentado.

Marino possui um acervo de fotos, mapas, placas comemorativas, capacetes, boinas, troféus, placas e condecorações, inclusive em que foi homenageado na Itália.

“Estou vivo pelas mãos de Deus”, completou o motorista aposentado no DER, ao lado da filha Maria do Carmo Marino Schiavon.

 

8 de maio de 1945 

Para os brasileiros que lutavam na Itália o Dia da Vitória chegou mais cedo.

Com Mussolini capturado e morto pelos partigiani (guerrilheiros antifascistas) em 28 de Abril de 1945 e, enfimo suicídio de Adolf Hitler, no dia 31 de Abril de 1945, o Eixo Roma-Berlim desaparecia. No dia 2 de Maio de 1945, às 14 horas, as forças alemãs que resistiam na Itália se renderam ao IV Corpo de Exército, do qual fazia parte a FEB, resultado de negociações secretas, onde o General alemão Schlemmer assinou um termo de rendição no Quartel General do IV Corpo.

Declarava-se, então, 2 de Maio de 1945, O Dia da Vitória na Itália. Foi um período de ocupação em que os brasileiros saborearam diferentes manifestações do povo libertado, até o dia da esperada notícia.

“No dia 8 de maio chegou à auspiciosa notícia: foi assinada, na Alemanha, a rendição incondicional de todas as forças alemãs. O tão esperado Dia da Vitória aconteceu. A paz voltou a imperar no Teatro de Operações da Europa” (Trecho do Livro “Quebra Canela”, 1982, p. 184, 185).

 

Revista Cidade

Publicidade

Brasil