Saiba como não cair em golpes na Black Friday

20.11.2018
Saiba como não cair em golpes na Black Friday

Docente do Senac Araraquara orienta sobre como comprar de maneira segura e aproveitar as liquidações sem problemas

Faltando poucos dias para a Black Friday, que ocorre em 23 de novembro, a expectativa dos consumidores é grande para conseguir produtos com desconto e antecipar as compras de Natal e Ano Novo. Com tanta tecnologia à disposição, associada à falta de tempo para ir às lojas físicas, muitas pessoas tem optado pela compra on-line. Mas é preciso cuidado. Apesar da praticidade, esse universo também está cheio de propagandas enganosas e ofertas falsas.

Mesmo o evento sendo líder de vendas no comércio digital, as oportunidades oferecidas no período ainda geram desconfianças. Segundo pesquisa do Google realizada em julho de 2017, com consumidores de 18 a 54 anos, a desconfiança nas promoções ainda é o principal motivo para não participar da Black Friday. Essa questão foi citada por 37% dos entrevistados. Esse dado, inclusive, vem ao encontro do número de reclamações no site Reclame Aqui, que tende a aumentar nessa época do ano. Em 2017, foram registradas 3,5 mil queixas: propaganda enganosa (13,5%), problemas como finalização da compra (9,6%) e divergência de valores (8,8%).

De acordo com Roberta Maggiotto de Almeida Santos, docente da área de gestão e negócios do Senac Araraquara, antes de clicar no botão "concluir a compra", é preciso se preocupar com a segurança. Sites seguros aparecem com um cadeado no canto esquerdo da barra de busca. Ainda segundo ela, vale certificar-se de que a empresa existe, se possui endereço físico e se tem canal de relacionamento com o consumidor. Também é importante acessar o histórico de reclamações no Procon e no site www.consumidor.gov.br, do Ministério da Justiça, e verificar a reputação da loja.

"O melhor a fazer é, algumas semanas antes da Black Friday, consultar os sites que tenham os produtos desejados e que caibam no orçamento, fazendo uma lista dos produtos com valores, preço, forma de pagamento, frete e prazo. Quando a data chegar, comparar as ofertas e escolher a que melhor lhe agrada. Não tem outro jeito", explica a docente.

Roberta ainda afirma que para saber se a loja é confiável, não deixe de perguntar para amigos e familiares se eles já realizaram uma compra pelo site de seu interesse. Uma alternativa é ler os comentários do produto procurado, verificar as avaliações e guardar todas as informações da compra. Além de pesquisa de reputação em sites especializados ou até mesmo nas redes sociais.

As empresas inteligentes procuram manter suas páginas atualizadas e suas equipes atentas ao menor sinal de descontentamento dos consumidores, buscando reverter situações negativas antes que a reclamação ganhe dimensões maiores. "Isso demonstra cuidado e interesse. Lojas assim merecem confiança", pontua Roberta.

Outra orientação, principalmente em caso de propaganda enganosa, é de que o consumidor entre em contato com a empresa, preferencialmente por escrito, solicitando providências. Importante ressaltar que em situações como essa, o artigo 35 do Código de Defesa do Consumidor garante amplos direitos.

  

Direito do consumidor no pós-compra

Após a finalização da compra, o site deve enviar um e-mail com o número do pedido, características do produto e as etapas da entrega. O Procon-SP alerta que, no caso das compras on-line, o cliente tem até 7 dias para fazer a notificação de troca ou devolução do pedido.

 

Revista Cidade

Publicidade

Brasil