Faculdades e escolas particulares se dizem preparadas para receber alunos

27.07.2020
Faculdades e escolas particulares se dizem preparadas para receber alunos

Com a autorização do governo do estado para a volta às atividades do ensino superior e profissionalizante e de cursos extracurriculares livres (idiomas, informática, artes, entre outros), localizados em municípios paulistas que estejam na Fase 3 Amarela do Plano São Paulo há mais de 14 dias, essas unidades já se prepararam para voltar a atender os alunos. 

De acordo com o estipulado pelo plano São Paulo, as escolas poderão ser abertas, desde que sigam as restrições de capacidade, de horários e de faseamento que foram estabelecidos pelo plano. O anúncio foi feito pelo governador João Doria, no último dia 13.

Trantando do assunto, o Comitê de Contingência do Coronavírus Araraquara, se reuniu nesta segunda-feira, dia 27 de julho, para novas deliberações sobre as medidas de combate à transmissão da Covid-19  e deliberou hoje sobre a criação de uma comissão intersetorial da educação.

O objetivo dessa comissão será discutir e apresentar sugestões de protocolos sanitários e medidas seguras para quando se der o retorno às aulas dos alunos da educação municipal. Essa comissão está sendo formada e será formalizada por meio de Portaria específica.

 

Cursos

No caso dos cursos profissionalizantes, o plano São Paulo prevê o retorno para aqueles em que as atividades práticas e laboratoriais não podem ser feitas a distância. A autorização também vale para o estágio curricular obrigatório da área da saúde. No entanto, só funcionarão para atividades práticas, o ensino teórico continuará sendo feito a distância.

Para voltar a funcionar, as instituições e organizações que oferecem os cursos livres precisam obedecer a regras e protocolos de segurança, como ocupação limitada a 40% da capacidade e horário de funcionamento reduzido a seis horas diárias. 

A educação complementar terá ainda de seguir os protocolos estabelecidos no setor educacional, como organização da entrada e da saída para evitar aglomeração e intervalos com o revezamento de turmas, além do cumprimento do distanciamento de 1,5 metro e das medidas de higiene e sanitização dos espaços.

O proprietário de uma escola independente de idiomas na capital paulista, a Canadian Language School, Sérgio Sanches, explicou que deve manter as aulas online para aqueles alunos que se adaptaram ao sistema e que aceitarem continuar dessa maneira. Mesmo assim, Sanches acredita que os alunos devem procurar a escola quando as aulas presenciais voltarem no próximo semestre. "Os alunos que continuaram tiveram desconto de 10% a 15% e, para os que ficaram desempregados, demos bolsa ou meia bolsa para que pudessem permanecer."

Sanches destacou que uma das grandes lições da pandemia e do isolamento social foi a descoberta de que trabalhar em casa traz uma série de despesas, mas o aluno que estuda em casa deixa de gastar com locomoção e evita o estresse do trânsito para chegar à escola. "Por isso, os alunos que estão online hoje, eu acredito que vão continuar, e nossa perspectiva é de continuar oferecendo esse tipo de aula e melhorar a tecnologia".

Ele contou que com a paralisação das aulas por causa da pandemia, a situação da escola ficou difícil e 80% dos alunos não quiseram continuar estudando a distância por não achar eficiente. A escola não conseguiu apoio financeiro para continuar operando e usou uma reserva própria para se manter nesse período crítico. "Se tivéssemos conseguido apoio financeiro, teríamos pago contas mais urgentes, como os funcionários que acabamos dispensando, além dos terceirizados e insumos. Nós mantivemos a escola porque conhecemos nosso produto".

O diretor executivo da Via Certa Educação Profissional, que tem 32 unidades no interior de São Paulo, Decio Marchi, explicou que a rede tinha grande expectativa quanto à expansão e precisou pausar a inauguração de novas unidades. Segundo ele, em menos de uma semana, todas as unidades já tinham seu método de ensino adequado para as aulas virtuais e acesso remoto. "Tivemos uma perda de 30% no final, porque há alunos que não tinham espaço, equipamento ou internet adequada em casa para fazer o curso. Temos que entender que há algumas variáveis que influenciam na questão da perda de aluno."

De acordo com o diretor executivo, já é perceptível o movimento de alunos que desejam voltar às aulas presenciais, como forma de convívio e experiência em sociedade, assim como há pessoas que não se adaptam totalmente ao ensino online. Por causa disso, a escola já conseguiu vender boa quantidade de novos cursos, chegando perto da normalidade registrada antes da pandemia. "Muitos compram 100% online e alguns EAD - ensino a distância -, mas mostrando interesse em voltar ao presencial quando tudo isso acabar".

Marchi reforçou que todas as escolas da franquia estão preparadas para receber os alunos assim que isso for possível. "Estamos seguindo as mudanças de faixa das cidades e os protocolos de distanciamento social e da vigilância sanitária", acrescentou.

Revista Cidade

Publicidade