Em Live transmitida no Telão da ACIA, William Waack diz que o tempo corre e exige medidas para Jair Bolsonaro

11.04.2019
Em Live transmitida no Telão da ACIA, William Waack diz que o tempo corre e exige medidas para Jair Bolsonaro

Em evento, com cerca de uma hora de duração, transmitido ao vivo na manhã dessa quarta-feira, 10, no auditório da Associação Comercial e Industrial de Araraquara (ACIA), o jornalista Willian Waack analisou os 100 dias do Governo Bolsonaro, e concluiu dizendo que o tempo corre e exige medidas práticas e urgentes da equipe do novo presidente.

“O tempo da política nem sempre combina com a duração das unidades do tempo cronológico. Para o atual governo, o tempo subjetivo correu muito mais rápido”, discorreu o jornalista.

Segundo Waack, a eleição de Bolsonaro foi um fenômeno nascido e fundamentado na descrença que a população brasileira tem na política e nos agentes políticos, o que o atual presidente soube compreender muito bem durante o processo eleitoral, capitalizando o momento e conseguindo chegar ao poder com um grande capital de votos.

“O problema é que todos precisam compreender que o nosso sistema político é o mesmo, não foi mudado nas eleições, e o presidente forte, eleito pelo povo como todo esse capital de votos, não governa sem o Congresso. Ao contrário. Eles têm de andar juntos, tem de governar juntos. Um, não anda sem o outro”, destacou, não esquecendo de ressaltar os defeitos do sistema representativo, que permite a eleição de deputados sem qualquer representatividade e totalmente desconhecidos da população.

“Disso nasceu a tese de que a Câmara é um lugar repleto de pessoas corruptas, é o lugar onde se pratica a Velha Política, e essa não é uma verdade absoluta”, explicou Waack, lembrando que o momento não exige que o governo Bolsonaro faça a Velha, ou a Nova política, mas que ele faça política, converse, dialogue e viabilize um governo capaz de patrocinar as mudanças que o País clama e precisa. “Ele foi eleito para fazer essas mudanças e a expectativa da população é muito grande’, disse.

O jornalista lembrou ainda que de nada adianta o governo Bolsonaro pregar que fez sua parte ao mandar projetos para a discussão no Congresso, jogando a responsabilidade pela aprovação ao não das matérias para o colo dos parlamentares.

“Todos no congresso sabem que o Brasil não tem outra saída, e o que acontece lá é que eles estão praticamente implorando para que haja uma divisão de responsabilidades na aprovação dessas matérias”, falou.

“Não se deve ter a ilusão de que as mudanças acontecerão e não trarão consequências. Eu costumo falar que a aprovação das mudanças necessárias para sanear o Brasil trará uma geração de perdedores, e não é que eu tenha esse desejo, é porque é realidade, todos vão perder um pouco, seja em capital político, seja em direitos, mas tratam-se de mudanças necessárias, que o Brasil não pode mais esperar”, afirmou.

Waack adverte, porém, que o “tempo político” do governo Bolsonaro está acabando, e que ele deve agir com rapidez, se não quiser ficar refém dele próprio e de seus compromissos de campanha. “O governo Bolsonaro tem um capital político extraordinário, tem um apoio poucas vezes visto, mas é importante lembrar que quem empresta esse apoio e esse capital a ele é o povo brasileiro, conhecido por sua impaciência e por não acreditar na classe política. Se o governo não andar rápido a paciência vai embora”, alerta.

Realizado pela empresa SANKHYA – Gestão de Negócios, com apoio da ACIA Araraquara e da MAF - Consultoria Empresarial, a Live com Willian Waack levou bom público ao auditório da entidade, e é mais uma das iniciativas capitaneadas pela diretoria da Associação Comercial e Industrial de Araraquara para levar informação e suporte aos empresários araraquarenses nos dias turbulentos e de grandes mudanças em que vivemos.

 

Revista Cidade

Publicidade

Brasil