Crise deve explodir, e desemprego pode atingir 15 milhões no 3º trimestre

18.07.2020
Crise deve explodir, e desemprego pode atingir 15 milhões no 3º trimestre

A estratégia de isolamento social e fechamento do comércio sem flexibilização alguma vai começar a mostrar sua faceta mais perversa no 3º trimestre que está prestes a chegar, e não foi por falta de aviso. 

Em alta desde os primeiros casos de covid-19 no país, o desemprego só deve atingir o pico no trimestre encerrado em setembro, quando alcançará 14,5%. As projeções são da consultoria IDados a partir da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do IBGE, e consideram cenário que inclui a quebradeira nas empresas provocada pela pandemia e a maior procura por trabalho.

O estudo aponta que entre julho e setembro deste ano, 15 milhões de trabalhadores podem ficar sem ocupação, pelos efeitos da crise. A estimativa considera tanto os trabalhos formais quanto os informais e, se confirmada, significaria uma taxa de desocupação recorde. Até agora, o maior porcentual registrado pela pesquisa foi de 13,7%, ou 14 milhões de brasileiros. O patamar foi observado em março de 2017, logo após a última recessão, mas nada se compara ao cenário atual. Trata-se de uma verdadeira devastação de micro e pequenas empresas e de empregos.

De acordo com a IDados, o mercado de trabalho tem um comportamento mais lento do que o restante da economia, e a verdade será escancarada quando as cidades começarem a reabrir seus comércios e as pessoas que ficaram desempregadas voltarem a buscar trabalho. Só aí teremos uma real ideia do tamanho do problema, já que as vagas demorarão a aparecer.

A gravidade da situação, porém, já deve estar em patamares muito maiores do que se pensa, visto que o desemprego não tem crescido tanto porque vem sendo atenuado por quedas significativas da taxa de participação - as pessoas deixam de procurar emprego por causa da pandemia e param de aparecer nas estatísticas de desocupação, fazendo o desemprego parecer menor, e isso, obviamente é ilusório.

Revista Cidade

Publicidade