Auxílio emergencial pode ter mais duas parcelas, mas valor deve ser reduzido

04.06.2020
Auxílio emergencial pode ter mais duas parcelas, mas valor deve ser reduzido

Presidente já declarou que vai estender o benefício, mas parcelas devem ser inferiores aos atuais R$ 600

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta quarta-feira, 3, que o auxílio emergencial deve ganhar pelo menos mais duas parcelas - julho e agosto -, mas com valor inferior aos R$ 600.

Segundo o blog da jornalista Ana Flor, da GloboNews, a ideia do presidente é que o valor atual seja dividido em duas parcelas de R$ 300.

"Muita coisa foi feita. Esse próprio auxílio emergencial de R$ 600, que já estão quase certas a quarta e quinta parcelas, de valores menores um pouco, que está sendo ajustado pelo Ministério da Economia, ajudou a evitar problemas sociais", disse Bolsonaro à jornalistas.

O auxílio emergencial foi criado em abril, com previsão original de ser pago em três parcelas de R$ 600, até junho. Os beneficiários são trabalhadores informais e desempregados que ficaram sem renda na pandemia.

 

Mais uma parcela

Um pouco antes de falar com os jornalistas o presidente disse a apoiadores que poderia na saída do Palácio da Alvorada, que o governo poderia liberar mais três parcelas do auxílio emergencial, ou seja: uma parcela a mais do que declarou depois.

De acordo com o presidente, a medida já está ajustada com o ministro da Economia Paulo Guedes e espera que os governadores adotem ações para que a população volte a trabalhar.

Revista Cidade

Publicidade