Saques do FGTS injetam R$ 347 milhões na economia local

12.04.2017
Saques do FGTS injetam R$ 347 milhões na economia local

Estudo calcula o impacto dos saques das contas inativas no comércio varejista da região de Araraquara

Os recursos das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), cujos saques foram liberados pelo governo federal no início deste ano, poderão injetar R$ 347,1 milhões na economia local. Considerando que o comércio varejista da região de Araraquara faturou R$ 16 bilhões em 2016, esse montante representa um acréscimo de até 2,2% nas vendas do setor deste ano.

Os dados são de uma projeção inédita realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). Ao avaliar a participação de cada estado no total de rendimentos e remunerações pagas no Brasil, verifica-se que o Estado de São Paulo é responsável por 32,7% do total. Com a premissa de que a distribuição dos recursos das contas inativas do FGTS siga esse padrão, dos R$ 45 bilhões disponibilizados para saque estima-se que R$ 14,7 bilhões serão injetados na economia paulista.

A FecomercioSP projeta que do montante de R$ 14,7 bilhões, cerca de 2,4% ou R$ 347,1 milhões esteja concentrado nos municípios que integram a região de Araraquara.  

De acordo com a assessoria técnica da FecomercioSP, ainda que nem todo o dinheiro seja destinado para o consumo, o varejo pode se beneficiar no médio e longo prazo já que se o consumidor optar por quitar dívidas ou aplicar, tais recursos entrarão no mercado financeiro elevando a capacidade bancária de conceder empréstimos. Além disso, os consumidores endividados ou inadimplentes poderão reequilibrar seu orçamento doméstico, limpar o nome e se tornar novamente elegíveis a novos crediários, em condições mais vantajosas.

Em suma, a Federação pondera que o volume de dinheiro a ser sacado das contas inativas do FGTS vai ajudar no processo de retomada da economia.

Recursos no Estado

Conforme destacado anteriormente, cerca de R$ 14,7 bilhões serão injetados na economia paulista. Entre as 16 regiões analisadas, o varejo da Capital tem o maior efeito potencial do saque do FGTS sobre as vendas que é de até 3,7%. Na sequência vem as regiões do ABCD (2,7%), Campinas (2,6%) e Araraquara (2,2%).

Em contrapartida, o varejo das regiões de Marília (1,4%), Presidente Prudente (1,5%) e Araçatuba (1,6%) apresentam os menores potenciais de crescimento a partir da injeção dos recursos na economia da região. Segundo a FecomercioSP, a distribuição dos recursos não é linear e depende tanto do tamanho do varejo em cada região quanto da média de salários e da proporção da população ocupada ao longo dos anos. De forma geral, os efeitos do FGTS sobre o desempenho anual do varejo rondam a casa dos 2%.

Delegacia Regional Tributária Araraquara

Américo Brasiliense, Analândia, Araraquara, Boa Esperança Do Sul, Borborema, Cândido Rodrigues, Corumbataí, Descalvado, Dobrada, Dourado, Fernando Prestes, Gavião Peixoto, Ibaté, Ibitinga, Ipeúna, Itápolis, Itirapina, Matão, Monte Alto, Motuca, Nova Europa, Pirangi, Pirassununga, Porto Ferreira, Ribeirão Bonito, Rincão, Rio Claro, Santa Cruz Das Palmeiras, Santa Ernestina, Santa Gertrudes, Santa Lúcia, Santa Rita Do Passa Quatro, São Carlos, Tabatinga, Tambaú, Taquaritinga, Trabiju, Vista Alegre Do Alto.

 

 

Revista Cidade

Publicidade

Brasil