Pesquisa Firjan aponta Araraquara entre as melhores cidades do País para se viver

07.12.2015
Pesquisa Firjan aponta Araraquara entre as melhores cidades do País para se viver

Conforme pesquisa da Firjan, Araraquara é a 9ª melhor no Estado e 11ª no Brasil com melhores índices em Educação, Saúde e Emprego e Renda

Araraquara é a  9ª melhor cidade para se viver no Estado de São Paulo e a 11ª do Brasil, conforme pesquisa da Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro), feita com base em dados nas áreas de Saúde, Educação e Emprego e geração de Renda, relativos ao ano de 2013. 

No total, Araraquara obteve o Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM) de 0,883. Educação atingiu o nível maior, 0,959; em seguida, a Saúde obteve 0,943; e Emprego e Renda, 0,749.

O IFDM varia de 0 (mínimo) a 1 ponto (máximo) para classificar o nível de cada cidade pesquisada em quatro categorias: baixo (de 0 a 0,4), regular (0,4001 a 0,6), moderado (de 0,6001 a 0,8) e alto desenvolvimento (0,8001 a 1).

A edição 2015 do IFDM indica que o desenvolvimento socioeconômico do País está comprometido por conta do cenário econômico.

Nesta nova edição, o índice aponta que, já em 2013, a nota brasileira, composta pelos indicadores de Educação, Saúde, e Emprego e Renda, ficou em 0,744 ponto, com aumento de apenas 0,2% na comparação com o ano anterior.

Foi o menor avanço desde o início da série histórica do índice, em 2005, refletindo principalmente o desempenho negativo do IFDM Emprego e Renda. O indicador recuou 4,3% na comparação com 2012 e atingiu 0,702 ponto.

A saúde manteve, praticamente, o mesmo patamar de 2012 para 2013 - de 0,949 para 0,943 -, já a educação subiu, em 2012, de 0,954 para 0,959, em 2013.

O índice é feito, exclusivamente, com base em estatísticas públicas oficiais, disponibilizadas pelos ministérios do Trabalho, Educação e Saúde.

Passo a passo

Para análise do item Emprego e Renda, a Firjan leva em consideração a geração, estoque e salários médios do emprego formal. Já na Educação são analisadas as taxas de matrícula na educação infantil, abandono escolar, distorção idade-série, percentual de docentes com ensino superior, média de horas de aulas diárias e resultado do IDEB. Na Saúde, leva-se em conta o número de consultas pré-natal, óbitos por causas mal definidas e por causas evitáveis.

Realizada entre os 5.570 municípios brasileiros, a pesquisa apontou que a primeira colocação no Brasil ficou com a cidade de Extrema (MG); em segundo, São José do Rio Preto; terceiro, Idaiatuba;  quarto, São Caetano do Sul; e em quinto lugar, Vinhedo, todas no Estado de São Paulo. 

Revista Cidade

Publicidade

Brasil