Oficialmente instalado na cidade, MMDC realiza ato em comemoração ao 23 de maio

24.05.2017
Oficialmente instalado na cidade, MMDC  realiza ato em comemoração ao 23 de maio

Denominado Heróis de Araraquara, o 56º Núcleo do MMDC criado no estado de São Paulo foi oficialmente instalado na cidade no último dia 22 de maio, segunda-feira, em evento que lembrou os acontecimentos de 23 de maio de 1932, quando agentes da ditadura atiraram contra manifestantes no centro de São Paulo, causando a morte de quatro deles, Martins, Miragaia, Drausio e Camargo. 

O episódio marcou profundamente o período, ampliando a insatisfação popular com a repressão e ocupação militar do estado, o que gerou a quase imediata criação do MMDC, um organismo civil que emprestou as iniciais dos nomes dos quatro mártires do movimento e pregava a convocação de eleições gerais e da constitucionalização do país.

Pouco menos de dois meses depois, em 9 de julho, eclodia a Revolução Constitucionalista, considerado até os dias atuais como o maior movimento popular já ocorrido na história brasileira, quando enormes contingentes de tropas, na sua maioria integrada por voluntários civis  paulistas, se bateram em armas pela causa da democratização.

 

MMDC Heróis de Araraquara

Fundado em Araraquara por abnegados policiais militares no dia 29 de novembro de 2016, o 56º Núcleo do MMDC do estado nasceu para manter viva a memória dos araraquarenses que se envolveram naquele momento único da história brasileira.

Daqui partiram para os campos de batalha 541 homens e uma mulher, dna May de Souza Neves, esposa do doutor Camilo Gavião de Souza Neves, que atuou no serviço hospitalar para atendimento a soldados feridos. Seis de nossos voluntários perderam a vida em batalha, mas oito homens (um morreu de acidente automobilístico durante licença) ficaram para a história como mártires de Araraquara no conflito: Tenente Joaquim Nunes Cabral, Waldomiro Machado, José Cesarini, Bento de Barros, Joaquim Alves, Diógenes Muniz Barreto, além de de Augusto Moraes e Otávio de Oliveira Ameduro.

Rica, a história da participação de Araraquara no conflito envolve a mobilização de toda a população em torno da causa, com doações de alimentos, valores e objetos diversos, fabricação de roupas e uniformes, dentre outros para abastecer os contigentes paulistas. Tudo, pela construção de um Brasil justo e democrático.

E é com o intuito de manter vivos os puros sentimentos de então que um grupo de abnegados policiais militares da cidade criou o 56º Núcleo do MMDC do estado em Araraquara. Contando atualmente com 13 membros em sua diretoria o órgão já conta com agenda cheia este ano.

E o primeiro evento  aconteceu no último dia 22, quando com a presença do Coronel Ventura, presidente do MMDC do estado, o organismo local foi oficialmente inaugurado.

Dirigida pelo Major Paulo Henrique Jurisato, presidente do MMDC local, a cerimônia contou com a presença do Tenente Coronel Ziul Martins Rodrigues e do também Coronel João Alberto Nogueira Júnior, na ocasião representando o prefeito Edinho Silva. 

Durante o evento que marcou o início das atividades do Núcleo araraquarense o MMDC homenageou autoridades e personalidades civis e militares com a outorga da Medalha MMDC, instituita por lei estadual no ano de 1962.

Foram homenageados o Tenente Coronel PM Ziul Martins Rodrigues, Major PM Adalberto José Ferreira, Major PM Paulo Henrique Jurisato, Capitão PM Richard Severino de Souza, Capitão PM Alan Esteves Fernandes Gouvêa, Capitão PM Fernando Marino Porto, 1º Tenente PM Adilson José Gardim, Sub-Tenente Marcos Galiani Tozzo, Subtenente PM Marco Aurélio Ferreira, 1º Sargento PM Eudes Abrahão da Silva, 1º Sargento PM Cleverson Candido Martins, 1º Sargento PM Luis Carlos Orlando, Soldado PM Gustavo Fernando de Paula, além do Juiz Marco Aurélio Bortolin, da Promotora Morgana Budin Demétrio, do Procurador do Estado aposentado, Luiz Carlos Bedran, da Socióloga Virginia Carolina Fratucci de Gobbi, do empresário e Presidente da ACiA, José Janone Núnior, do empresário e Presidente do Sincomércio, Antonio Deliza Neto, do jornalista e diretor da Revista Cidade Araraquara,  Hamilton Guimarães Pinto Mendes e dos empresários Fernando César Sedenho e João Marcos Batista.

O próximo evento oficial do órgão acontecerá no 9 de julho, data da deflagração do movimento revolucionário, e terá lugar na primeira rotatória da Avenida Bento de Abreu, onde está o monumento ao Soldado Constitucionalísta. Para quem não sabe o monumento já foi um mausoléu, ficava origináriamente na Avenida principal do Cemitério São Bento e nele estavam depositados os restos mortais do araraquarenses tombados no conflito.

Com o traslado dos despojos para o Obelísco do Ibirapuera, a Prefeitura da cidade decidiu removê-lo para a Avenida Bento de Abreu, transformando o local em um Monumento ao Movimento de 32, eternizando a rica história da participação do povo de Araraquara naqueles momentos únicos da história do país.

 Saiba mais sobre o Núcleo MMDC de Araraquara no portal www.mmdcararaquara.com.br e na Fan Page do Núcleo: Mmdcararaquara.

Revista Cidade

Publicidade

Brasil