Consumidor não teve muito o que comemorar no seu dia

08.03.2016
Consumidor não teve muito o que comemorar no seu dia

Dia do consumidor é lembrado, mas movimento abaixo das médias históricas obriga empresas a recuarem em contratações

Comemorado nesse dia 15 de março o Dia Internacional do Consumidor foi marcado por palestras e orientações, em eventos organizados pelo Procon Araraquara.

As ações se realizaram na Escola Estadual Bento de Abreu (EEBA) e na Escola Industrial Ana de Oliveira Ferraz (antigo Industrial), ambas visando debater a importância de se conhecer os direitos do consumidor.

Já no período da tarde, agentes do Procon atuaram nas dependências do Extra, orientando a população sobre consumo consciente, e sobre a importância de pesquisar preços antes de efetivar qualquer compra.

O Dia Internacional do Consumidor foi instituído em 15 de março de 1962, pelo então presidente dos Estados Unidos John F. Kennedy, pregando o direito à segurança, informação, escolha e o de o consumidor ser ouvido.

Queda no movimento

Um levantamento feito nos últimos cinco anos (de 2010 a 2015) pelo Procon mostra dados positivos na relação do órgão com o consumidor em Araraquara.

Embora o número de atendimentos tenha diminuído no período – caiu de 6.877 em 2010 para 4.572 em 2015 -, a eficiência no atendimento passou de 82,93% do primeiro ano do levantamento para 92,85% no ano passado.

O número menor de pessoas atendidas, entretanto, não pode ser visto como uma melhora nas relações entre cosumidores e empresas, mas sim devido a crise econômica, que diminuiu o movimentono setor.

Sem contratações

Tal como já havia acontecido no período que antecedeu o Natal o número de funcionários contratados pelo comércio para o período da Páscoa caiu na cidade.

O motivo apontado pelos empresários é o momento de retração por que passa o mercado, com queda nas vendas e movimentação abaixo do esperado. A ideia é manter apenas os funcionários efetivos no atendimento.

Direitos básicos

O Defensor Público do Estado, Horácio Xavier Franco Neto, reitera que a Constituição Federal elevou a defesa do consumidor como direito fundamental e política básica das relações econômicas.

Ele acrescenta que essa defesa teve seu ápice no Brasil com a promulgação do Código de Defesa do Consumidor, em 1990.

“O Código já passa dos vinte anos, o tratamento aos consumidores evoluiu no País, mas ainda há muito o que fazer”, frisa Horácio Xavier.

Segundo o Defensor Público, a preocupação mundial com o consumidor vem de muito antes de 1990, quando o então presidente norte-americano John F. Kennedy, em declaração ao Congresso, enumerou, em dia 15 de março de 1962, importantes direitos do consumidor.

Naquela oportunidade, John Kennedy trouxe os quatro direitos básicos de todo consumidor - segurança, informação e escolha, e o direito de ser ouvido antes de comprar qualquer produto.

 

 

 

Revista Cidade

Publicidade

Brasil