Câmara derruba projeto que autorizava venda de prédio do antigo PS

18.05.2016
Câmara derruba projeto que autorizava venda de prédio do antigo PS

Autor do projeto que pretendia vender o prédio do antigo PS do Melhado, prefeito esteve na Câmara para defender sua aprovação. Barbieri alegou que  dinheiro seria revertido para pagar funcionários demitidos da CTA

A Câmara Municipal de Araraquara derubou por 11 votos a 6 o projeto de lei em que a Prefeitura pedia autorização para vender o prédio do antigo Pronto Socorro do Melhado, desativado depois da implantação da UPA localizada na Via Expressa. O prédio é muito maior que o da UPA e quando abrigava a unidade de pronto atendimento contava com salas de estabilização e outros serviços que hoje a UPA não comporta.

Avaliado pela Prefeitura em R$  6.625.454,81, atualmente o local abriga as Vigilâncias Edipemiológica, Sanitária e Ambiental. 

A justificativa da Prefeitura para conseguir a aprovação da Câmara era que objetivo da venda seria levantar recursos para pagar as rescisões dos funcionários da Companhia Tróleibus de Araraquara (CTA) - estimada em R$ 8 milhões. Cerca de 250 deles serão dispensados nos próximos dias - 160 já estão na rua.

A notícia movimentou a cidade nos últimos dias e desencadeou um movimento no Legislativo que acabou por unir vereadores da oposição e parlamentares que atuaram até aqui 100% ao lado de Barbieri. Muitos populares, sindicalistas e estudantes também se mobilizaram ocupando as dependências do Palacete Carlos Alberto Manço exigindo a derrubada da matéria. Por outro lado, funcionários da CTA - preocupados com o futuro - que compareceram a Casa de Leis mostravam-se favoráveis ao projeto.

Ao final de quase 5 horas de muito debate e acaloradas discussões - envolvendo inclusive Barbieri, que esteve em plenário - os vereadores derrubaram o projeto por 11 votos a 6. Votaram a favor da venda do prédio do antigo PS do Melhado os vereadores Adilson Vital, Gerson da Farmácia, Roberval Fraiz, Jair Martinelli, Buchechinha e Willian Afonso. Contra a venda, votaram João Farias, Pastor Raimundo, Donizete Simioni, Edio Lopes, Gabriela Palombo, Lapena, Juliana Damus, José Carlos Porsani, Jefferson Yashuda, Doutor Helder e Edna Martins. O presidente da Casa, vereador Elas Chediek, não vota.

Embora não seja novidade é importante ressaltar que o prédio que abriga a CTA, localizado ao lado da última rotatória da Avenida Bento de Abreu, na Fonte, deve ser vendido.

Boato?

Tem circulado insistentemente nos últimos dias a informação de que o consórcio que opera o transporte coletivo da cidade - firmado entre as empresas Cruz e Parati -, pretende desativar o Terminal Central de Integração, bem como colocar um fim na integração entre os ônibus da cidade sem pagamento de tarifa.

Perguntado sobre o assunto o diretor-presidente da Controladoria do Transporte de Araraquara, Márcio Santos, negou as informações e as tachou de "boatos". 

Já o presidente da CTA, Silvio Prada foi menos incisivo. Segundo ele as notícias são plantadas para gerar desconfiança, mas acrescenta: "Qualquer coisa que se falar agora, é tudo especulação”, diz.

Revista Cidade

Publicidade

Brasil