Araraquara perdeu 1,9 mil empregos em 2015

23.01.2016
Araraquara perdeu 1,9 mil empregos em 2015

De acordo com o Caged, Matão - empurrado pela laranja e indústrias de suco - ficou em 3º lugar no ranking nacional e liderou a geração de empregos formais na região

Lenvatamento realizado pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego, apontou o tamanho do efeito que a crise econômica teve em Araraquara e em importantes cidades de nossa região. 

Segundo o estudo, a cidade que mais perdeu empregos no ano passado, foi Rio Claro, que fechou mais de 2,8 mil postos, principalmente no setor industrial e comércio. Em seguida, São Carlos, que perdeu 2.412 postos, Araraquara teve menos 1.953, Araras, que perdeu 1.557 e Leme, com menos 526 postos de trabalho.

A vizinha Matão, no entanto, navegou em águas tranquilas e parece até uma ilha na região. Tudo, devido a força da laranja e das indústrias de suco instaladas na cidade. O município foi o melhor colocado em geração de empregos em todo o Estado de São Paulo, com um saldo positivo de 2.110 vagas em 2015. Os dados foram divulgados na quinta-feira (21) pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

No ranking nacional do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), Matão ficou em terceiro lugar, atrás apenas de Canaã dos Carajás (PA) e Pontal do Paraná (PR).

A bonanza da vizinha cidade, porém, não corresponde a realidade. De acordo Roberto Luiz Cadioli, diretor titular do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), a maioria novas contratações são para vagas temporárias. Segundo ele, os trabalhadores contratados são temporários, devido a sazonalidade que existe na produtividade da laranja. 

"No início da safra, que se dá em junho ou julho, são feitas as contratações e com o término, que é em janeiro e fevereiro, são feitas as demissões. É um ciclo que todo ano acontece na cidade", explicou.

Nos outros setores -comércio e indústria -, segundo Cadioli, Matão também perderam vagas.

Revista Cidade

Publicidade

Brasil