ACIA, Sincomércio e Sinhores querem Rua 9 de julho aberta em feriados e sem ambulantes

05.02.2020
ACIA, Sincomércio e Sinhores querem Rua 9 de julho aberta em feriados e sem ambulantes

Entidades entregaram documento ao prefeito Edinho Silva propondo a criação de áreas específicas para ambulantes no centro da cidade

Mobilizados e unidos na intenção de buscar caminhos para a revitalização do centro comercial de Araraquara, os presidentes da Associação Comercial e Industrial de Araraquara (ACIA), do Sindicato do Comércio Varejista de Araraquara (Sincomércio) e do Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares (SInhores), entregaram documento conjunto ao prefeito municipal Edinho Silva, solicitando apoio do poder público para a iniciativa.

Os presidentes das entidades, José Janone júnior, Toninho Deliza e Fernando Pachiarotti, respectivamente, aproveitaram a solenidade de sanção da Lei municipal que institui e inclui no Calendário Oficial de Eventos do Município de Araraquara o "Dia Municipal do Comerciante", para realizar a entrega do documento ao prefeito. O evento aconteceu na tarde da última segunda-feira, 3, na sala de reuniões do Paço municipal.

De acordo com a proposta, a Rua 9 de Julho ficaria sempre aberta para o tráfego, mesmo nos dias de feriado prolongado, e especialmente em dezembro. A medida colocaria fim a uma longa tradição, já que desde os anos 70 a principal rua do comércio da cidade é fechada do início de dezembro até a vésperas do Natal.

O principal argumento das entidades é o problema causado pelo grande número de ambulantes que toma conta da via nessas épocas. "Um levantamento realizado no final do ano passado apontou a presença de 65 ambulantes da Rua 9 de Julho, contra 47 lojistas com seus comércios abertos. A concorrência é desleal. Os lojistas pagam impostos, geram empregos e são muito prejudicados com tanta gente vendendo produtos na porta de seus estabelecimentos", explicam.

Outro ponto a ser lembrado, segundo os presidentes, é que ninguém mais quer montar estabelecimentos gastronômicos no centro. "O empresário vai abrir seu negócio, pagar energia elétrica, impostos, funcionários e terá de concorrer com os ambulantes na porta dele".

Janone, Deliza e Pachiarotti afirmaram não serem contrários a presença de ambulantes do centro da cidade, mas defenderam a abertura de outros pontos para que eles se instalem. "Estamos trabalhando com empresários que participaram de nossa reunião do último dia 20 de janeiro, para, em conjunto com a Prefeitura elaborar um projeto de realocação dos ambulantes legalizados que trabalharam no final do ano passado na Rua 9 de julho, para outros lugares da região central", afirmaram.

Os três presidentes sugeriram ainda a criação de novos espaços, como foi feito com a Praça da Santa Cruz, para que eles trabalhem, apontando as Praças da Matriz, da Câmara e do Paço Municipal, como possível locais. "Seriam áreas gastronômicas alternativas que a população poderia usufruir", afirmaram.

No documento, as entidades pedem que a Prefeitura acolha o pedido já para o feriado do próximo dia 21 de abril, quando o fluxo de trânsito permaneceria livre, e o estacionamento normal. Eles assumiram ainda a responsabilidade pela elaboração de um projeto de manutenção da Rua 9 de julho, com limpeza dos passeios públicos, reparos dos bancos e floreiras, bem como a integração dos lojistas com o sistema de monitoramento das câmeras de segurança da região.

Reunidas no mês passado para discutir um projeto de revitalização para o centro comercial do centro da cidade, ACIA, Sincomércio e Sinhores tiveram como pauta assustos relativos a segurança; trânsito; mobilidade urbana; horário de funcionamento; abertura aos domingos e feriados; campanhas comerciais e comércio ambulante. 

Revista Cidade

Publicidade

Brasil